sábado, 14 de agosto de 2010

Nem eu, nem vc e nem ningém!


Eu não perco nada
Em me doar
Nem agora e
Nem vai deixar arrepender-se depois
Nem vai doer e
Vai endurecer!
Arrependo-me, volto atrás, fecho os olhos, me entrego,...
Pela segunda, terceira,....................................................................mil vez.
Sou feliz por não endurecer
Nem vai doer.

Juh

quarta-feira, 11 de agosto de 2010

Pres@ por Liberdade!



Eu não consigo mas pensar diferente disso, devo ser muito limitada!


Juh

Sem saber mesmo o rumo que irás tomar




Não estou resolvida
Em cada esquinas defino um pouco de mim
Em pouco tempo serei o que você não imagina
Ouvirás
Que o mundo só é mesquinho
Pra quem sonha sozinho
Ouvirás bem
Com o seu rancor sofrerás sozinho
Mágoas que construiu quetinho
Juh

quarta-feira, 5 de maio de 2010

Eu sou qero ser minha!

"Eu não sou
recatada,
Eu não sou
catada,
Eu não sou
atada,
Eu não sou a sua
ada,
Eu não sou a,..."

video


Juh da pexte!!!!

sábado, 24 de abril de 2010

No qe se transformou a “Gomorra”??




No intuito de se gerar uma comunidade “anarquista”, onde tudo seria de todos, os espaços seriam comunitários, os objetos e as idéias também seriam compartilhadas, entre tantas outras pretensões, o discurso era esse na antiga casa do Baiano entre pretendentes e precisados de se criar uma república estudantil. A precisão de morar junto logo veio, e a construção dessa comunidade se daria na prática ao longo da convivência. E se deu dessa forma, na prática, a construção dos ideais até diferente dos propostos, mas com tolerância, convivência, limites, adaptações, entre tantas outras situações qe se dariam,... estava acontecendo.
E se alicerçou dessa forma a república de estudantes com idéias libertári@s, a “Gomorra” se deu dessa forma, meio qe as pressas, onde acredito precisar de um acumulo ideológico antes dessa tomada de decisões repentinas dessas ou mesmo uma escolha de com qem se qer/acredita construir antes de se deferir a decisão de ir construir junto. Dando andamento vieram as reuniões, assembléias onde se viabilizaram algumas definições sobre as limitações dos próprios moradores, dos visitantes, das relações qe moradores e agregados teriam, a alimentação, a divisão da compra da limpeza, até mesmo a aquisição desse mesmos materiais, entre outras situações. Onde foram agravando essas decisões, chegando às divisões das prateleiras da geladeira. Até aí a Gomorra vinha no seu auge das festas, do cine gomorra, onde virou ponto de encontro de amig@s qe não se viam durante toda uma semana, ponto de descontração, cultura, de fazer novas amizades, idéias, de cachaça também, maconha, sexo,...onde com o tempo o barulho,as luzes,os horários começam a incomodar,mas até aí tudo era resolvido nas assembléias com certeza com suas limitações, mas com a capacidade de todos participarem nas decisões;estou a falar por mim qe sempre fui agregad@ mas sempre fui ouvida,...
Pensar Gomorra hoje, onde se chega a um ponto qe a entrada de moradores se dar pelo simples motivo de se dividir o alugel (sei sim,das necessidades de se sustentar),mas acredito naqela seleção de ideias pra se construir qalqer coisa junto,em um bom alicerce onde hoje existiu fatos autoritários qe se deram por uma imposição da situação.
Hoje, coincidência ou não, a Gomorra, dois anos depois, esta praticamente com os moradores qe pensavam construir uma república estudantil mais libertária, mas agora vazia com algumas mágoas deixadas no meio do percurso.
Parabéns pela resistência!!!

Juh do cabrunco!!!

A uma Amiga,



como te disse tava esses dias pensando muito em vc, qe foi até aqela história qe te falei qe procurei vc no orkut pra te deixar um recado pra eu te ver e tal,...
Daí, pensei na pessoa qe vc era, na pessoa qe eu te via, na pessoa qe vc era pra mim, na pessoa qe imaginava ser nos olhos dos outros,... Pensei nas nossas divergências...
Divergências essas, ideológicas, teoricas e principalmente nas práticas, seja em qal for o campo, de amizades, relacionamentos, seja qal for!!! Mas logo pensei nas nossas convergências qe são maiores e mais fortes. Pensei eu, em sermos mulheres libertárias, a frente do nosso tempo, em qe a maioria das pessoas não nos compreende, achamos qe temos todo o mundo pra conqistar, acreditamos qe a diversidade de pessoas é diversidade de conhecimento/aprendizagem por isso não nos prendemos a uma única pessoa e nem a um único lugar e nem nenhuma coisa qe seja única,...
Agora falando de mim, acredito qe irei morrer junto a amigos, filhos e não a companheiros pelo menos a aqeles que se enqadram a essas relações meio qe padronizadas.
Existiram sim situações desconfortáveis com relação à vc em alguns momentos no trajeto da minha vida, mas acho qe somos mulheres suficientes para conversarmos e resolvermos qalqer situação qe venha a nós incomodar. Só acho qe não dar pra ficar na superficialidade qe nossa amizade é ou estar sendo. Por isso sei qe existem várias experiências, situações, visões a serem trocadas, vividas junt@s; nem qero pensar na possibilidade de termos aproveitado esse vinculo qe nos une cum o potencial qe temos, com nossa força de qebrar conceitos, padrões, ficarmos lutando separadas ou mesmo continuar só nas perguntas “se estamos bem?” ou “cadê as novidades?”,... Qero qebrar com qalqer situação qe até hoje nos venha a incomodar e a impedir de vivemos uma troca massa daqelas conhecimentos e apredizagens junt@s. Neginha te qero bem, te admiro muito por vc ser qem vc é, desse jeitinho mesmo!
Fror qero qe vc dê muit@as risadas gostosas, goze muito e seja muito feliz. Nós merecemos!!!!

te adoro gata!
Juh

sexta-feira, 8 de janeiro de 2010

Cósmica?



De um tempo pra cá vim a ouvir muito “Novos Baianos” e não somente o “Acabou Chorare” de 1972, qe com certeza é o mais ouvido por mim e pela maioria da galera qe os ouve. Mas tive a curiosidade de ir conhecer os outros álbuns como tb o contexto qe essa galera estavam inserida.Com isso achei um documentário de Solano Ribeiro junto a TV Bandeirantes de 1973,onde mostrava muitas imagens do cotidiano, onde se percebe uma tentativa de consolidação de novos valores,consciência e no comportamento, influenciados pelos seus antecessores da Tropicália onde estes sim viveram a repressão da ditadura militar, e as mesmas transformações. Adoro esse trecho pra explicar o qe eu entendo desse momento:

““ Não, não é uma estrada, é uma viagem Tão, tão viva quanto a morte Não tem sul nem norte””

(Paulinho de Boca de Cantor e Morais Moreira)

Mas o qe me trouxe a arrumar essas idéias foi uma conversa as 02;00 da madruga com a Petôca e alguns vídeos assistidos juntas sobre o papel da vocal Baby Consuêlo ,no qe diz respeito a parada cósmica qe ela dizia viver a todo momento junto com certeza com aqela mesma quebra comportamental e ideológica do momento;onde com isso ouvi todos os seus trabalhos tanto como Baby Consuêlo ou mesmo “do Brasil”, como por ex.“Pra Enlouqecer” de 79 com músicas como “Zirigidum”,”Menino do Rio”(feita especialmente pra ela por Caetano),”Lá vem o Brasil Descendo a Ladeira” entre tantas outras,...ótimos trabalhos. Mas o qe mais me chamou a atenção foi a sua decadência com relação a transcendência fundando nos dias de hoje uma igreja e institucionalizando o seu canal com a sublimação,...ela diz em entrevista a Jô qe deus lhe daria 3 provas para a concretização da fundação da igreja, e lembro-me de duas qe eram até bem fácil em se falando de Baby,onde uma era qe ela não teria problemas com os levitas(é a galera qe faz som nas igrejas,em se falando de uma cantora excepcional,ficaria fácil ) e a outra era grana(sempre tem qe ter grana no meio!!!aff).O qe aconteceu com a vaib de Baby naqela época??Drogas?A arte da música??Juventude??Tudo junto??Ou a mudança se deu agora junto a decadência artística chegando a gravação de um cd gospel,seu último trabalho. Pra onde foi toda aqela ideologia, atitude qando por ex. ela cantava “Alunte” onde ela parece estar vendo alucinações. Fico a me perguntar onde irei parar na minha posteridade???De fato já sei qe serei anacrônica com relação às gerações seguintes, mas até aí tudo bem!Mas será qe não conseguirei ser fiel aos meus ideais construídos durante os anos passados e vividos??Ou será mesmo mais uma vaib da juventude?????Olhá só!!! Qantas dúvidas!!!!!!!!!!!rs





Ju ?

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

Sou mesmo sem recato e desacato autoridade!!



The Temptress
Jack Vettriano
(Pintor escocês contemporâneo,onde gosta de retratar um tipo marcante de mulher,...)




Agito e Uso
(Ângela Rô Rô)

Sou uma moça sem recato
Desacato a autoridade e me dou mal
Sou o que resta da cidade
Respirando liberdade por igual

Viro, reviro, quebro e tusso
Apronto até ficar bem russo

Meu medo é minha coragem
De viver além da margem e não parar

De dar bandeira a vida inteira
Segurando meu cabresto sem frear
Por dentro eu penso em quase tudo
Será que mudo ou não mudo


O mundo, bola tão pequena
Me dá pena mais um filho eu esperar
E o jeito que eu conduzo a vida
Não é tido como a forma popular
Mesmo sabendo que é abuso
Antes de ir agito e uso



Ju Agreste do Cabrunco da Pexte